Bird Watching

Faça observação de inúmeras aves raras que fazem parte da envolvência do Convento da Sertã Hotel e da região. A paisagem que circunda esta região é espectacular, um destino perfeito para os amantes de pássaros.

dom_fafe

Dom Fafe

Granívoro que se alimenta principalmente de rebentos. Apesar de colorido, prima pela descrição, nidificando nas serras do extremo norte do país. No Outono e Inverno surge no resto do território mas é relativamente escasso. Prefere zonas de denso arvoredo.

guarda_rios

Guarda rios

De linhas inconfundíveis (dorso e asas azuis, peito e ventre cor-de-laranja), é uma espécie muito ‘celebrada’. Pousa frequentemente em pequenos postes ou ramos secos, junto à água, preparando a caça às suas presas. Ocorre em Portugal durante todo o ano.

perdiz

Perdiz

Relativamente comum no país, embora escassa nalgumas zonas do litoral. Ocorre sobretudo em zonas abertas ou esparsamente arborizadas. Pode ser observada durante todo o ano. Muito cobiçada por caçadores.

pega

Pega

Ave facilmente reconhecível, devido à sua plumagem preta e branca e à longa cauda. Distribui-se pela maior parte do território, com especial incidência para o Alto Alentejo. Não efectua movimentos muito amplos e constrói os seus ninhos ao longo das estradas.

alveola_amarela

Alvéola Amarela

Ave muito colorida e com bastante plumagem, sendo um dos migradores estivais mais precoces. A sua chegada representa, tal como a das andorinhas, um dos primeiros sinais de que a Primavera está para breve. Tem uma cauda comprida.

alveolabranca

Alvéola Branca

Bastante reconhecível devido ao seu típico baloiçar de cauda e à coloração preto-e-branco das suas penas. Ocorre com regularidade no nosso território, sobretudo na região norte. Habita em águas doces interiores, campos e jardins. Mede cerca de 17-18 cm.

pintassilgo

Pintassilgo

Pequena ave granívora, bem distribuída por todo o território continental, com predominância para a região sul. Facilmente reconhecível devido à máscara vermelha, cabeça branca e preta e às manchas amarelas nas asas. Canta usualmente na Primavera.

pardal

Pardal

Espécie muito abundante em Portugal, sendo facilmente encontrado em zonas rurais ou urbanas. Ocorre durante todo o ano, podendo formar bandos de grandes dimensões. Machos e fêmeas apresentam plumagens diferentes, tendo um bico bastante grosso.

bico_de_lacre

Bico de Lacre

Ave minúscula e com um chamamento muito peculiar. Apresenta um espesso bico vermelho vivo, acompanhada de uma máscara da mesma cor. O resto da plumagem é dominado pelo castanho. Frequente em zonas de baixa altitude.

verdelhao

Verdilhão

Tem uma coloração vistosa e chamativa, apesar de o seu canto ser o principal elemento distintivo. Espécie abundante em algumas regiões pode ser observada durante todo o ano, existindo bandos de dimensão apreciável no inverno.

melro

Melro

É uma espécie comum em Portugal e facilmente identificável pela população: apresenta uma plumagem de cor negra e um bico alaranjado. Ocorre em diversos locais, designadamente bosques, zonas de pastagens ou florestas.

poupa

Poupa

Apresenta uma poupa muito característica, orlada por pontas pretas, que, quando levantada, se assemelha a um leque. Emite uma vocalização extremamente fácil de ser identificada, um pouco semelhante ao cuco. Espécie abundante em todo o território.

rabirruivo

Rabirruivo preto

Ave muito comum nas aldeias do norte e centro. É também conhecido pelos nomes de carvoeiro ou pisco-ferreiro e é facilmente identificável pela sua cauda cor-de-fogo e pelo ‘tique nervoso’, visível no agitar contínuo do corpo. Tem um voo rápido.

peto-real

Peto-Real

Pode ser encontrado em diversos locais, sobretudo em zonas de pinhal ou à beira das estradas. Também conhecido por ‘Pica-pau-malhado-grande’ é o mais típico e abundante dos pica-paus nos bosques portugueses. O seu voo ondulante e o seu chamamento áspero são elementos distintivos.

tentilhao

Tentilhão

Espécie abundante nas nossas matas e florestas, nomeadamente no arquipélago dos Açores. Gosta de cantar pela madrugada. Possui tamanho semelhante ao do pardal, mas um pouco mais robusto, com bico cónico e forte, cor-de-chumbo.

carrica

Carriça

Também conhecida por Carruíra, o seu nome científico significa “habitante de cavernas” e decorre do hábito desta pequena ave de tons acastanhados entrar em cavidades e fendas para pernoitar ou para caçar artrópodes. Pesa pouco mais de nove gramas e tem um canto muito singular.

gaio

Gaio

É comum em todo o território, abundando nas regiões norte e no extremo sul. Frequenta sobretudo zonas florestais. Pode ser observado durante todo o ano. É um «imitador» por excelência, surpreendendo a sua capacidade de reproduzir outros sons.

centeeira

Centeeira

Habitualmente conhecida por “Escrevedeira Amarela”, esta ave ocorre sobretudo em zonas de lameiros e prados de altitude. O amarelo dá-lhe uma tonalidade assertiva, embora este passeriforme prime pela descrição.

chapim

Chapim azul

Ave de pequenas dimensões mas bastante colorida. Mexe-se freneticamente pelo meio da folhagem e distribui-se por todo o território. A cabeça caracteriza-se pelo barrete azul e pela lista ocular preta, possuindo um peito e abdómen amarelado. Ocorre todo o ano.

felosa

Felosa

Insectívora de reduzidas dimensões é bastante comum em Portugal durante o Inverno, observando-se em praticamente todos os habitats. Apresenta cores bastante caraterísticas e surpreende pela sua faceta destemida, pois permite aproximações por parte do observador.

andorinha

Andorinha dos beirais

Ave emblemática e conhecida por ‘anunciar’ a Primavera. Abundante em todas as regiões, caracteriza-se pela sua cauda ligeiramente bifurcada, sendo as partes superiores escuras contrastantes com o uropígio branco e largo. Tem um bico fino e bastante curto.

chapimdepoupa

Chapim-de-Poupa

A pequena poupa é um dos elementos mais distintivos desta ave, cuja plumagem é predominantemente castanha e branca. A face é branca, com uma risca preta e o mento também é preto. Tem aproximadamente 11 cm de comprimento e prefere zonas de pinhal.

pisco

Pisco

Reconhecível pela sua plumagem – possui uma mancha alaranjada que se estende da testa até ao peito – e por cantar em qualquer época do ano. Abunda por todo o território nos meses frios, enquanto nos meses soalheiros remete-se às regiões do noroeste.